O Leão tem de rugir na toca da águia!

Hoje, o Sporting tem o desafio mais importante na Liga, pelo menos, até à data. Defrontar o Benfica sabendo que ganhando fica com uma vantagem de 7 pontos sobre o rival, e tem mais um extra. Se o Sporting ganhar, faz com que o Benfica fique praticamente arrumado na luta do título, pois, hipotéticamente, se o Sporting conseguir ganhar, o clube da segunda circular, fica com uns anedóticos 3 pontos/1 vitória em 5 jogos.

Mas agora falando num plano mais verde. Apesar de ter menos tempo de repouso do que o adversário, o Sporting vem de uma vitória importante, apesar de ter sido na Liga Europa e por apenas 2-1. Mas é de referir que foi com 9 alterações, e contra um adversário de grau de dificuldade médio na cotação europeia. Mas a vitória foi importante pois, com este resultado, o Sporting acaba de garantir um plantel forte e equilibrado, com 26 jogadores capazes de defender o emblema que carregam ao peito até à vitória.

Mas hoje, o plantel volta à sua fórmula original, com Rui Patrício a ser o dono da baliza, a dupla de centrais composta por Carriço e Coelho, Evaldo entra para o lado esquerdo e aqui surge uma dúvida daquelas que dá boas dores de cabeça ao treinador. Eu apostaria Abel, que para além de ter feito os dois cruzamentos para golo, com ele em campo, o Sporting consegue alcançar a vitória, mas o irreverente João Pereira, é o mais provável titular, ainda que depois da lesão ainda não se encontrou em campo devidamente. Resta saber se o factor cansaço é fundamental para a discussão nesta posição.

No plano do meio campo, André Santos a mais do que provável titularidade já que Pedro Mendes ainda não tem o físico necessário para aguentar os noventa minutos do encontro nem pouco nem mais ou menos. Maniche, recuperado da lesão volta à Luz agora de verde, sentando desta forma Zapater.

Nas alas, aposto no Valdés que, apesar de lentamente, está a adaptar-se bem ao futebol português, e apostava para o lado direito ou Djaló ou Vukcevic. Nas alas, a falta de alguém que consiga rasgar a defesa, de maneira não intermitente, como estes dois jogadores, é um dos problemas do plantel do Sporting. Uma das posições que Costinha e Paulo Sérgio terão de andar à procura em Janeiro.

Se formos a jogo em 4-4-2, o mais provável é que a dupla de avançados seja Liedson-Postiga. Liedson, desde que chegou a Portugal, tem o Benfica como uma das equipas a quem marca mais golos, e aposto que hoje não ficará em branco. Postiga será titular para aproveitar a embalagem do golo marcado em Lille. Mas isto se jogar em 4-4-2.

Na ideia de Paulo Sérgio aproveitar a estratégia de 4-2-3-1, tira Postiga e coloca em campo o melhor marcador da Liga pelo Sporting, na posição de 10. Falo claramente de Matias, que tem feito um bom início de tempo, e tem no curriculo a nota de fazer bons jogos frente a equipas grandes, como por exemplo o Barca ou o Real Madrid, aquando da sua passagem pelo Villareal.

Resta saber hoje se o Sporting tem aquele estofo de campeão para bater o maior rival do clube, e na casa alheia, com cerca de 3 mil adeptos a puxar pela aquele camisa verde-e-branca.

Depois de tanta salganhada destas semanas, vem aí a Liga…

Depois dos lamentáveis episódios em torno da selecção nacional durante estas duas semanas, marcado pela demissão do seleccionador nacional, e também pelos resultados desastrosos frente ao Chipre e à Noruega, é agora o regresso da Liga Zon Sagres, que marca o regresso do futebol nacional ao panorama futebolistico.

Também neste regresso tenho de destacar algo que não comentei. A aquisição de dois jogadores interessantes para o Sporting. Hildebrand vem para o Sporting, a custo 0, o que é sempre de louvar, e também Tales, um médio criativo que vem por empréstimo, contudo sem opção de compra. Não vou comentar em termos técnicos e afins, pois acredito que este tema já foi debatido e não vale a pena insistir mais no assunto. Contudo é de referir algo que tem sido pouco vinculado pelos meios de imprensa. A opção de compra que não existe no contracto de Tales tem uma justificação. O jogador brasileiro, ao que tudo indica, está em final de contracto, e até por isso não vale a pena efectuar essa opção que é frequente nas aquisições por empréstimo.

Agora voltando para o jogo de logo à noite frente ao Olhanense. Uma coisa que não pode acontecer é o que se passou ao ano passado, depois de ter estado a perder por 2-0. O que valeu é que se conseguiu dar a volta ao resultado. Mas o que importa referir é que o ano passado já lá vai e não vale a pena mostrar aqueles “fantasmas” para atormentar. Este jogo, irá marcar o regresso à titularidade de João Pereira ao lugar de defesa direito, e também o ingresso no lote de convocados de Torsiglieri, sendo posto de parte Polga, que já começa a ser posto de parte.

Avizinha-se uma vitória do Sporting, mas um pouco suado, dado que esta equipa pode vender cara a derrota, já que esta é uma das poucas equipas que ainda não perdeu para o campeonato este ano. Mas hoje o Sporting tem uma motivação especial. O próximo adversário da liga perdeu ontem e se ganhar, ficarão com uma vantagem de 6 pontos, o que dá uma vantagem moral. Mas hoje não se pode pensar no jogo de dia 20. O mais importante neste momento é o Olhanense. E alcançar os 3 pontos em Alvalade que darão aos seus adeptos o regozijo que poderem alcançar 4 vitórias seguidas.

É de vitórias que o povo gosta!

Ontem assistiu-se a mais um trunfo do Sporting, no bom seguimento das vitórias alcançadas durante a semana anterior. Desta vez, a vítima foi a Naval que perdeu por 3-1, com golos de Liedson, M. Fernandez e Djaló, sendo o golo da Naval apontado por J. Pedro.

Jogo que na primeira parte, destacou-se pelo pendor ofensivo do Sporting, com uma bola ao poste, e um golo de Liedson, que parte de uma posição irregular, mas mesmo assim é validado pelo árbitro madeirense, Elmano Santos.

Segunda parte aparece com mais golos, com uma grande penalidade resultante de uma falta sobre Liedson, que Matias cobre para o 2-0 e o seu segundo golo no campeonato. 10 minutos depois, após um lançamento lateral a Naval dá autenticamente um brinde a Djaló que aproveita para fazer o 3-0. Com a equipa mais relaxada, Paulo Sérgio aproveita para lançar jogadores que precisam de ganhar confiança e minutos de jogo, como o caso de Zapater ou de João Pereira que regressa da lesão craniana. Com Zapater em campo, o Sporting tem 10 de azar, com alguns erros sucessivos do recém convocado à selecção AA e é aos 75 minutos que a Naval reduz e dita o resultado final.

Neste jogo destaco a boa exibição dos jogadores chilenos e de referir que este bom momento de forma faz com que o Sporting passe estas duas semanas de pausa no terceiro lugar do campeonato, atrás de Porto e Braga que se confrontam na próxima jornada.

Hoje é o último dia de transferências e é conhecido que o Sporting anda à procura de um avançado alto para cima de 1,90 e de um extremo rápido bom de bola. Características que se tornam difíceis de encontrar por um bom preço. Veremos o que a direcção leonina oferece a Paulo Sérgio no dia de hoje.

Sem pinheiro, mas com muito verde…

Hoje às 20:15, o Sporting tem de dar o melhor seguimento à vitória na Liga Europa, ou seja significa que temos de ganhar à Naval.

Hoje a equipa vai muito motivada à Figueira da Foz , não só pelos bons resultados obtidos recentemente, como também devido a factores psicológicos individuais. Desde logo, o regresso de J. Pereira à competição após o infortúnio do último jogo da liga. Também na defesa, Nuno A. Coelho está motivado, pois acaba de ser pela 1ª vez convocado para a selecção das quinas, e também no ataque, pois os avançados correm o risco de perderem o lugar para o mais recente reforço leonino. Ao que tudo indica, poderá ser o avançado argentino Di Santo. Mas, independente disso, o Sporting terá de ganhar para voltar a ficar em vantagem sobre um concorrente directo, e aproximar-se dos adversários na luta pelo título que ganharam no dia de ontem frente aos seus opositores.

No totobola de hoje aposto numa vitória confortável do Sporting, basta estar com a pontaria afinada.

Leão arruma a casa. Mas fica por aqui?

Este início de fim-de-semana fica marcado no reino leonino pelas saídas de três jogadores, sendo dois deles por empréstimo e outro definitivo. Como já se sabe, trata-se de Pongolle, Tonel e Stojkovic.

Começando por Pongolle. É uma semi-surpresa para mim. Actualmente era o patinho feio de Alvalade, porque nunca se impôs,  mas no início de época o próprio indicava que este ano queria explodir. Pelos vistos Paulo Sérgio não reparou essa atitude nos treinos e recambiou-o para Espanha, onde terá de explodir no Saragoça. Se for titular, será deveras positivo para a evolução dele mesmo e se marcar alguns golos, veremos actuar outra vez cá em Portugal.

Tonel. Já era esperado. Apesar de ser um dos capitães de Alvalade, era um elemento posto de parte por PS, que prefere apostar em Polga e na sua experiência, sendo este campeão do mundo, e até mais velho. Na minha opinião, apesar de ser um bom central, melhor do que em comparação a Polga, perderia o lugar na equipa titular, com a ascensão do Nuno A. Coelho, e a clara titularidade de Carriço. Só resta desejar tudo de bom na Croácia, numa liga que Tonel, salvo erro, é o primeiro português a actuar na liga local.

Stojkovic. Pelos vistos a sua carreira continua dedica pelos empréstimos. Depois de Getafe e Wigan, surge agora a oportunidade voltar a casa, para jogar no clube rival de onde jogava antes de sair para França, sendo agora emprestado ao Partizan de Moreira. É evidente que não seria o opositor de Patrício em Alvalade, e ao que tudo indica não haverá reforço na baliza, optando por Golas ficar no plantel como 3º guarda redes.

Com todas estas saídas, agora há espaço para entradas, e com o encaixe, embora pequeno, resultante da Liga Europa, há mais folgo para contratar jogadores de maior nomeada.

Fala-se actual de Di Santo. Este jogador argentino com raízes chilenas, poderá vir por empréstimo do Chelsea, mas tem a concorrência do Twente e de alguns clubes da Premier League. Sinceramente, agora é só ver para crer. Ao longo deste defeso, foram apontados mais de 60!!!  eventuais reforços para o Sporting, mas na realidade só chegaram cerca de 10 jogadores, se contarmos com Golas e André Santos. O que quero dizer é: já não acredita muito nos “eventuais reforços” pois a única coisa que a imprensa quer fazer é colocar os adeptos e simpatizantes leoninos em estados emocionais e expectativos altos, e depois o jogador acaba por não vestir a camisola verde-e-branca.

E não é que passámos?

Depois da euforia de ontem à noite, após o apito final do arbitro, foi com grande alívio com que festejei o apuramento do Sporting para a fase de grupos, com uma remontada histórica no futebol português, batendo o Brondby por 3-0, sendo o que bastava para virar a eliminatória.

Uma exibição que tem como pontos positivos os golos marcados, sendo o de Djaló o mais lindo em termos de execução, mas também em termos emocionais, pois marcar aquele golo nos últimos minutos faz lembrar o golo ao ano passado ao Twente ou até o golo mítico de Alkmaar que nos levou à final da Taça Uefa.

Há que destacar a exibição de alguns jogadores pela positiva. Primeiro, Nuno André Coelho, o melhor em campo. Com o jogo de ontem, deu para entender que temos ali um futuro defesa central de selecção e que será o titular para o resto da temporada até ao final da época. Só com aquele golo já deu para entender que o Sporting não ficou a perder no negócio Moutinho.

Outra exibição positiva foi de Evaldo. Tem vindo a crescer nos jogos oficiais e aquela locomotiva tem vindo a exibir as suas credenciais que tinha quando estava no Braga, apresentando maior fulgor nas movimentações ofensivas, não descuidando a parte defensiva.

Outros jogadores que valem a pena destacar são: André Santos, que serviu de tampão às aspirações do Brondby e até fez a assistência para o golo de Evaldo (demonstrando assim que pode ser um bom substituto para Pedro Mendes) e também Rui Patrício, que está a calar a boca de muitos críticos e tem vindo a crescer, e no jogo de ontem fez um par de boas defesas que viraram o ímpeto que o Brondby vinha a ter em certos momentos da segunda parte.

Liedson tem vindo a procurar o golo e esse tento está perto, espero que seja contra a Naval segunda-feira. Maniche é patrão no meio campo. Matias e Valdés dão boas soluções de banco.

Mesmo assim há pontos negativos com a exibição de ontem. Djaló, embora tenha marcado o golo, fez uma exibição pobre, sempre perdendo a bola, e mostrando alguma indisciplina tática, principalmente na segunda parte, contudo assentou quando subiu no terreno para fazer parelha com o levezinho, Vukcevic está a voltar a ser individualista, e se continuar assim, volta direitinho para o banco, saltando o, por enquanto, inadaptado Valdés, e Postiga que tem de marcar golos ou ocasiões para tal mas não acontece.

Vencemos 3-0, passámos e é o que importa. Agora é aguardar o sorteio e ver que equipas calham, que serão posteriormente analisadas, aqui no Chuto Final.

Não é difícil, basta acreditar!

Hoje, às 18:00, o Sporting tem a difícil, mas não impossível tarefa de fazer com que se apure para a fase de grupos da Liga Europa, depois de ter sofrido uma desvantagem de 2-0 em Lisboa, frente ao Brondby.

Mas a dúvida que persiste na cabeça de muitos sportinguistas e cepticos é: Se o Sporting não conseguiu ganhar em Lisboa, como o fará na Dinamarca? A minha resposta é simples, o Sporting ganha. Não sei se a vitória será suficiente para ultrapassar os dinamarqueses, mas que a vitória será certa, ao menos nisso acredito. Porquê? Porque o Sporting, vem de uma vitória, embora tenha sido arrancada a ferros mas conseguiu, e isso consegue dar estimulo aos jogadores, ainda para mais, o golo foi selado nos últimos minutos do confronto. Depois há uma série de factores morais que fazem com que os jogadores acreditem em si mesmos e sintam a pressão para conquistar a vitória, e recuperar a pontaria que anda desafinada nos últimos meses.

A começar por João Pereira. O João é o jogador com mais personalidade dentro do campo, e como todos sabemos, sofreu um lesão que ainda causou um frisom dentro do Estádio, mas Segunda-feira está apto para o jogo da Naval. Os jogadores, de certeza, e como a imprensa já referiu, a vitória, mas sobretudo, o apuramento, é para dedicar ao ex-arsenalista. Este é um factor moral que engrandece o espírito combativo dos atletas.

Outro factor recai sobre os adeptos. Se formos a reparar, nos últimos desafios, tem havido um avalanche de apoio sobre os jogadores tremenda, e o jogo contra o Marítimo provou que apesar dos 20 mil presentes no estádio, dava a sensação de estar cheio com o apoio que recaía sobre a equipa. Se não passam, poderemos outra vez ficar desiludidos, mas se ganham, já sabem que estão numa viragem, voltada para o sucesso, e desta forma, ainda atraem mais sócios, adeptos ou simpatizantes ao estádio.

Outro factor, não recai sobre os jogadores, mas sim a elementos do staff técnico. A não qualificação dita a perda de grande parte das receitas para este ano, já que as competições europeias são uma apetecível fonte de rendimento, e é sempre atractivo para um potencial reforço em Alvalade. Não entrarmos na fase de grupos, faz com que o mercado de transferências reduza o lote de interessados, e assim leva a que o plantel fique só com os jogadores que tem actualmente, com a “obrigação” de levar o Sporting à conquista do título.

Por todas estas razões e mais algumas, é bom que o Sporting consiga marcar os três golos necessários para a qualificação para a fase de grupos. E apesar de muitos dizerem que é impossível, ou pelo menos muito díficil, eu acredito que pode ser muito fácil arrancar para o sucesso desta qualificação.

Agora só resta ficar pregado ao ecrã da televisão e esperar que eu possa gritar três vezes a palavra golo, e que o Rui Patrício mantenha a baliza fechada a 7 chaves, para que possamos atingir o sucesso.

Matigol também resolve…

Sporting conseguiu arrecadar os três pontos diante do Marítimo graças a um penalti convertido por Matias Fernandéz, já ao cair do pano, ditando o resultado final de 1-0. Este resultado espelha bem a intranquilidade que se vive no seio do leão, que agora começa a abrir os olhos para a nova temporada, e uma vitória apresenta a moral sempre precisa para o próximo jogo.

No início do jogo, o Sporting apresentou duas novidades. A primeira, mais  notória, foi a inclusão de Zapater no onze inicial, algo que desde da sua contratação desejei, mas para uma melhor adaptação só foi possível à segunda jornada da Liga Zon Sagres. A segunda novidade recaiu num novo esquema táctico do Sporting, desta vez num 4-2-3-1, com Zapater e André Santos num sector mais recuado, Maniche a fazer uma espécie de 10 abrindo as alas para Vuk e Djaló, com o Liedson a ter os cargos de ponta-de-lança.

Na realidade, e como seria previsível, o Sporting entrou como habitual a mandar no jogo, mas apenas no sector do meio campo, sendo que na hora de rematar, na primeira parte, apenas se registava os apontamentos do número 77, portanto de Vukcevic. Numa primeira parte, onde o Marítimo baseava-se no contra-ataque, sendo que a defesa leonina tinha uma pressão alta, e recorreria-se a Patrício como um autêntico líbero, sendo que essa função foi desempenhada tantas vezes que no final da primeira parte, num lance destas características, valeu a João Pereira uma visita ao hospital com um traumatismo craniano, fruto de joalhada de R. Patrício, numa das suas saídas. Com esta lesão, valeu-se da polivalência de Carriço, colocando-o à direita, e saltando Polga do banco para o centro da defesa, fazendo parelha com Nuno André Coelho. Portanto a primeira parte não deixa muita históia para contar.

Na segunda parte, começa com o natural pendor ofensivo do Sporting, com várias ocasiões, tanto de Vuk como de Liedson, que neste jogo voltou a ter uma das suas birras, tanto com Vuk, como mais à frente com Matias, pois ele queria marcar o golo, ou pelo menos o penalti, e mostra que ele merece uns dias no banco de suplentes, para pelo menos ganhar alguma maturidade que devia ter com a sua idade. Mas retomando ao jogo. O Sporting, num esquema muito estranho na segunda parte, digno de desenho do surrealismo de Picasso, com André Santos mais recuado a Zapater, que por sua vez fazia parelha com Maniche, Vukcevic fazia dupla com Liedson, apesar do montenegrino estar uns metros mais recuado e descaído para a direita, e Djaló andava à solta na esquerda, valeram ainda um susto quando numa situação ofensiva dos madeirenses, Patricio saí mal, e Cherrad aproveita para fazer um balão de todo o tamanho, que passa caprichosamente ao lado da baliza verde-e-branca. A partir daí, apenas em ocasiões esporádicas, o Marítimo conseguiu ter a bola, sendo o domínio total dos visitados que foram parados com um recurso constante à falta. Contudo, passava os muitos e o golo não aparecia, até que Liedson, faltava três minutos para o fim do tempo regulamentar, cai dentro da grande área, com falta de Tchô, à qual Bruno Paixão assinala, correctamente, grande penalidade, que Matias Fernandez, acabado de entrar aproveita para por as redes a abanar com um golo que deixou todo o estádio um sentimento de alívio enorme.

Sporting soma os primeiros três pontos do campeonato, e agora ganha um alento maior para o próximo jogo do Brondby, a contar para a Liga Europa, e que temos de fazer a reviravolta de 2-0, sem um jogador fundamental que é João Pereira. Resta saber se Paulo Sérgio neste jogo faz alguma experiência, ou aposta nos experientes para conquistar a presença na fase de grupos da segunda maior competição da Uefa.

Vital é marcar!

Hoje é necessário que o Sporting mostre a outra face, a face de goleador, contra o Marítimo hoje às 18:00 no Alvalade XXI.

Contra uma equipa que também vem de uma derrota na ressaca das competições europeias, o Sporting, como tenho referido nos últimos dias, tem de demonstrar um maior fulgor ofensivo, de maneira a arrecadar os três pontos e  de modo indirecto ganhar vantagem a um adversário directo que se atrasou ainda mais na luta pelo título na Choupana, frente ao Nacional.

Ao que tudo indica Liedson será titular. A história recente indica que o Levezinho tem preferência pelos golos frente à equipa insular, mesmo marcando o primeiro golo frente a estes pelo Sporting, na Liga Portuguesa. Ao invés, Valdés está em dúvida, devido a sintomas de gripe. Na minha opinião devia ser relegado para o banco de suplentes. Jaime ainda não se adaptou a Portugal da maneira que os adeptos leoninos desejavam, e agora Paulo Sérgio das duas uma, ou aposta no Matias Fernandéz para fazer o corredor esquerdo passando o direito para Simon Vukcevic, ou aposta numa troca directa com Djaló. De qualquer uma das maneiras, a única dúvida para P. Sérgio refere-se aos extremos para ganhar uma maior verticalidade ao pendor ofensivo da equpa do Sporting.

Em últimas linhas, gostava de perguntar quando é que PS aposta no Zapater? Já afirmou para não desesperar, pois dá a entender que ainda não está adaptado ao Sporting. Contudo se jogar como é que se adapta? P. Sérgio, põe mas é Zapater a jogar, nem que seja só a segunda parte!

Leão a morrer

Pela segunda vez seguida, o Sporting não deixa boa réplica de si, agora em casa perdendo por 2-0 diante do Brondby. Não esperava que o Sporting jogasse tão mal, mas foi ver para crer na passada quinta-feira.

Neste dia negro para as equipas portuguesas, também o Marítimo vem da Bielorrússia com uma desvantagem na eliminatória por 3-0, o Sporting outra vez mostrou que é perdulário frente à baliza, fazendo neste jogo cerca de 30!!! remates contra 6 dos dinamarqueses.

Mas o que se passa com esta equipa?? Andam a fazer algum concurso para ver quantos jogos fazem sem marcar um golo?? Seja como for, eles já sabem do descontentamento dos adeptos, pois o coro de assobios no fim do jogo foi bem audível, e agora estão sobre uma bem merecida pressão, e agora é urgente marcar golos, para retomar o caminho para o título, que será a prioridade para a época, já que o Sporting está com um pé fora da Liga Europa, agora é preciso concentrar os esforços para as competições internas.

Numa breve análise às declarações de Paulo Sérgio, sempre gostei das declarações que ele fez durante a pré-temporada, mostrando a sua atitude e mentalidade, mas depois do jogo houve uma declaração que eu fiquei a pensar. Paulo Sérgio deixou implicitamente a ideia de Pedro Mendes faz falta à equipa. mas este mesmo treinador recusa a ideia de que um jogador não faz uma equipa. O que será que se passa com este treinador? A altura de experiências já passou. E mesmo assim, depois de 4 jogos oficiais, ele ainda não entendeu que Nuno André Coelho não tem capacidade, para já neste plantel, e que está prestes a vender o melhor central que temos em Alvalade. Aposta em André Santos, enquanto temos o Zapater que pode fazer as mesmas funções, bem e melhor. Será que ele está a guardar o melhor para o fim? E não aposta no espanhol que tem mais capacidade que o internacional sub-21 português? No meio campo, este momento apenas apresenta problemas de ordem mental. Esta equipa meio campista tem todas as capacidades técnicas e individuais para ter sucesso.

Agora passando para a frente de ataque. Todos os avançados merecem alvo de crítica. Primeiro Liedson. Este avançado em Novembro já vai fazer 33 anos, e tirando a idade, já é notório que lhe falta as qualidades que lhe valeram o estatuto de estrela da companhia, apenas fez um cabeceamento digno de registo no jogo da 1ª mão. E tem neste momento o défice de golos, que precisa de subir. Se colocassem outro ponta-de-lança no onze para lhe substituir, fazia-lhe bem uns jogos no banco de suplentes. Mas não temos esse avançado. Postiga, outro problema. Continua igual ao ano passado. Combativo, sempre à procura do golo, mas quando chega à baliza a bola vai para todo o lado menos para o fundo das redes. Saleiro. Este na minha opinião, já devia treinar noutra equipa da Liga. Marcou na pré-temporada, é verdade, mas só faz exibições medianas para o medíocre. Pongolle, para mim já tem o estatuto de patinho feio de Alvalade. Só com um golo oficial marcado, e de penalti, tem de justificar urgentemente os 6,5 milhões gastos nele. De referir que as capacidades de negociação do Atlético de Madrid são excelentes. Tirando a venda deste flop, ainda conseguem encaixar 8,5 pelo barrete ainda maior, mas para o outro lado da segunda circular. Por fim, Djaló. Yannick merecia uma oportunidade na linha mais à frente do relvado, mas numa das suas experiências à Queiroz, Paulo Sérgio prefere apostar a extremo.

Concluindo, a menos que o Sporting consiga uma vitória no próximo Domingo frente ao Marítimo, a equipa continuará numa insatisfação tremenda para os adeptos. Incluindo eu. Estou farto deste Sporting.